Meu filho é um manipulador?

 

IMG_20180515_222331_182

Muitos pais me procuram com a sensação de que seus filhos são capazes de fazer tudo e um pouco mais para tirá-los do sério.

Com a crença REAL de que suas crianças tem um poder de manipulação que os assusta e junto a essa crença um sentimento de fracasso nos pais.
Então, será mesmo que as crianças arquiteta planos manipuladores pra conseguirem o que quer?
Se jogar no google “crianças manipuladoras” vai chover artigo falando da capacidade das crianças em manipularem, e de como elas podem se tornar cruéis. Eu não acho que seja bem assim…
A verdade é que criança aprende a partir de modelos. Será que manipulamos nossos filhos, de maneira sutil, chantageando pra ele comer o prato todo, recompensando quando ele faz algo que deveria ser feito sem que precise haver recompensas ou ainda usando a famosa frase “se você ficar quietinho no supermercado mamãe compra um chocolate?”
Precisamos refletir sobre que ferramentas utilizamos pra conseguirmos que as crianças façam o que a gente espera.
Outro ponto importante é entender que os seres humanos, desde que nascem aprendem sobre causa e efeito. Portanto, um bebê de 4 meses por exemplo já é capaz de entender que quando chora ou como chora consegue ser atendido pela mãe, pai ou cuidador o pegando no colo, abraçando, saciando a fome, trocando a fralda quando é necessário. À medida que cresce a criança aprimora a habilidade de compreender os efeitos que o seu comportamento pode gerar.

Então, a criança normalmente responde e “molda” (se assim podemos dizer) seu comportamento baseado na forma como os adultos respondem a suas atitudes. E elas irão explorar, ir ao limite, por que precisam conhecer o mundo e entender até onde podem ir. Cabe aos adultos ensiná-los sobre regras e tornar possível que a educação seja um processo que acontece de dentro pra fora, ou seja, fazer o certo porque é o certo e não porque há recompensas. É possível então que seu filho aprenda que ao se jogar no chão do supermercado em um momento de explosão emocional você se desestruture e dê-lhe o tal chocolate que inicialmente havia dito que não daria. E eu não diria que ele, caso tenha aprendido isso, é um terrível manipulador que planeja a situação só pra ganhar o chocolate. Ele aprendeu sobre causa e efeito, afinal de contas, o que ensinamos a ele nessa situação? Ensinamos com firmeza e generosidade sobre limites? Praticamos autorregulação? Conseguimos lidar com a frustração da criança de maneira que ela entenda sobre a regra que queremos ensinar? Os ensinamos que um determinado comportamento dela pode nos influenciar a tal ponto de cedermos e ignorarmos nossas próprias regras? Pensemos sobre isso…

Ana Flora Medeiros

Psicóloga Parental

Pós Graduada em Parentalidade e Educação Positivas

Especialista em Neuropsicologia

Mestranda em Psicologia do Desenvolvimento

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close